RELEASE PARA IMPRENSA

Uma mulher à frente do seu tempo e uma artista que, em mais de 40 anos de carreira, canta os anseios de várias gerações. A vida e obra de Marina Lima são tema de “Uma Garota Chamada Marina”, documentário dirigido por Candé Salles e produzido por Leticia Monte e Lula Buarque de Hollanda, que estreia em breve
no canal Curta!

 

“Foram 10 anos filmando. Tive a sorte de acompanhar um período de muitas mudanças na sociedade, principalmente no que se refere à condição feminina que Marina, com suas músicas, retrata como ninguém”, diz o diretor, que registrou a grande amiga entre Rio, São Paulo, Porto Alegre e até mesmo na Alemanha, em
Berlim.


O resultado, verdadeiramente intimista, revela uma Marina nunca vista antes. “Inexplicavelmente, em todo esse tempo de carreira, ela só tem um único DVD. Com esse projeto quis, além de homenagear, revelar o que pensa e mostrar quem é esta artista de perto”, frisa Candé. No processo de criação e no roteiro, realizado a partir do vasto material registrado em diversos suportes e formatos digitais, o filme acompanha a trajetória da artista, suas escolhas e mudanças, bastidores de shows, referências, parcerias, processo criativo e detalhes da sua vida. Nada ficou de fora.

“Sempre olho para frente e estou aqui, ativa, produzindo”, diz ela em um dos trechos do documentário, rejeitando qualquer espécie de apego ao passado. Esse é, inclusive, um dos principais motivos alegados para sua mudança do Rio — cidade que soube traduzir e cantar como ninguém — para São Paulo. "Parece que no Rio queriam que eu ficasse ali, parada, cristalizada mesmo. Tipo: aqui temos o
Cristo Redentor, o Pão de Açúcar e a Marina Lima, diverte-se ela. Marina é atemporal e constantemente redescoberta por novas gerações. “Esse filme é dedicado aos ‘Grunkies’, que é como chamo os alternativos, os loucos mesmo. É uma tribo de gente que pensa igual, tem talento, mas não quer se
enquadrar. Quer ser livre. Essa é a minha turma”, decreta a cantora aos 64 anos.


O documentário começa com um poema escrito para ela pelo irmão, Antonio Cícero. Membro da Academia Brasileira de Letras, poeta e escritor, ele foi um dos parceiros musicais mais constantes de Marina. “O Período Marina e Cícero, nos anos 80, foi de intenso ativismo”, relembra o escritor Fernando Muniz, que em
seu depoimento ressalta a importância das parcerias da dupla. Já o figurinista Cao Albuquerque, grande amigo de Marina, a define: “Não dá para se referir à Marina só como cantora, isso seria diminui-la. Ela representa um grito de liberdade, Marina deu voz às mulheres e fez muita gente gozar”, conclui Cao.
“Uma Garota Chamada Marina” participou do 27º Festival Mix Brasil em São Paulo, e Marina Lima recebeu o prêmio Ícone Mix 2019.


SOBRE A PRODUÇÃO

Financiado pelo Fundo Setorial do Audiovisual (PRODAV 06/2014), o longa-metragem é uma realização da produtora Espiral com apoio da TeleImage, e uma produção inédita para o Canal Curta!.


SOBRE O CURTA!

O Curta! é um canal independente, dedicado às artes, cultura e humanidades. São assuntos do canal: música, cinema, dança, teatro, artes visuais, história, filosofia, literatura, psicologia, política e sociedade. Documentários em curta, média e longa-metragens predominam na programação, que traz também séries
e cinema de ficção. Peças jornalísticas e vídeos em parcerias com instituições culturais enriquecem e dinamizam os intervalos.O Canal CURTA! acolhe a experimentação e se orgulha de ser um parceiro dos realizadores, artistas e criadores. Seu compromisso é transmitir ao menos 12 horas por dia da melhor
programação brasileira, assim como programação estrangeira de qualidade. O CURTA! Pode ser visto nos canais 56 e 556 na Net / Claro TV, 75 na Oi TV e 664 na Vivo TV (canal à la carte) 

© 2019 Espiral

  • Branca Ícone Instagram
  • Branco Facebook Ícone